Consumo Seguro

Portugues English
Escolhas inteligentes para uma alimentação saudável.

Notícias

Blog do Magazine Luiza, que destaca tendências na internet, ressalta importância do site Consumo Seguro

Por editor • Postado em 26/03/2013 • Categorias: Matérias

SITE DIVULGA LISTA DE CONSUMO SEGURO DE ALIMENTOS
Publicado pela Lu em 25/03/2013 às 9:40 em Beleza & Saúde.

Olha aí pessoal, que boa notícia para quem tem necessidades alimentares especiais: o site Consumo Seguro cataloga criteriosamente produtos e empresas que trabalham com alimentos de consumo livre para quem tem intolerância à certas substâncias ou hipertensão, diabetes e outras doenças.

O projeto analisa empresas parceiras e se assegura do compromisso daquelas marcas comercializarem produtos de qualidade. É como se fosse um selo de aprovação para determinado tipo de necessidade alimentar especial.

O processo de análise de cada produto foi bem criterioso e envolveu laudos técnicos, tabelas nutricionais, composição detalhada, entre outros. O site Consumo Seguro concentrou seu foco em alimentos sem glúten, sem lactose, sem açúcar, orgânicos e alimentos sem conservantes que juntos representam riscos às diversas situações.

O funcionamento é bem simples: você escolhe a seção por limitação alimentar (diabéticos, hipertensos, celíacos etc.) e navega nos produtos correspondentes. Ao clicar na imagem de cada um deles, acessa todas as informações sobre a composição daquele alimento. O Consumo Seguro oferece ainda o link para o site do fabricante.

Vida saudável com a ajuda da internet! Conte para mim se você conhece outra iniciativa nesse campo?

Fonte: Catraca Livre

Comentar »

DIA INTERNACIONAL DO CONSUMIDOR

Por editor • Postado em 15/03/2013 • Categorias: Matérias


No dia 15 de março comemora-se o Dia Internacional do Consumidor.
É justo comemorarmos o dia daquele que movimenta a economia pois o Consumidor é o destinatário final de produtos e serviços.
Você, como consumidor, conhece alguns de seus direitos básicos? Aqui estão apenas alguns deles:
- Proteção da vida, saúde e segurança contra riscos provocados pelo fornecimento de produtos e serviços considerados perigosos ou nocivos;
- Educação e divulgação sobre o consumo adequado de produtos e serviços;
- Informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de quantidade, características, composição, qualidade, preço, bem como sobre os riscos que apresentem.
Com esta visão é que nós do Consumo Seguro buscamos no mercado nacional e internacional, alimentos que possam garantir a você “Consumidor” todos estes direitos que mencionamos acima. É por essa razão que somos tão criteriosos na escolha dos alimentos que indicamos.
Então, neste Dia Internacional do Consumidor, queremos reafirmar nosso compromisso com a informação clara e precisa, com a seleção de produtos seguros que possam contribuir para a sua saúde e bem estar.
Faça valer o seu direito de Consumidor! Fique atento aos rótulos dos alimentos que adquire! E não esqueça que pode contar conosco nesta jornada pois estaremos sempre em busca do melhor para Você e sua Família!

Comentar »

“Catraca Livre destaca site Consumo Seguro”

Por editor • Postado em 14/03/2013 • Categorias: Matérias

No dia 13 de março, o Catacra Livre publicou o seguinte sobre nosso site:

A equipe do site analisa os produtos em laboratórios credenciados pela Anvisa

Consumo Seguro ajuda pessoas com diabetes, hipertensão e outras doenças

A equipe do site analisa os produtos em laboratórios credenciados pela Anvisa

O site Consumo Seguro, lançado no começo de março, presta serviço gratuito para pessoas com necessidades alimentares especiais. O portal cataloga produtos adequados para portadores de diabetes, hipertensão, doença celíaca e intolerâncias a determinados alimentos.

A equipe do site analisa os produtos em laboratórios credenciados pela Anvisa e divulga aqueles que se enquadram nas necessidades alimentares dos consumidores.

Algumas dezenas de produtos já constam no catálogo. Confira no site Consumo Seguro.

Fonte: http://catracalivre.folha.uol.com.br

http://catracalivre.folha.uol.com.br/geral/saude-bem-estar/indicacao/site-divulga-produtos-adequados-a-pessoas-com-necessidades-alimentares-especiais/

Imagem: Getty Images

Comentar »

ALIMENTAÇÃO ADEQUADA PODE AJUDAR AS CRIANÇAS AUTISTAS

Por editor • Postado em 13/11/2012 • Categorias: Matérias

O Autismo  Infantil pode ser tratado com uma ampla variedade de terapias, tendo diferentes graus de êxito. Não existe uma origem única dos problemas vistos no autismo, mas hoje ele é tratado como uma doença multifatorial, com muitos fenótipos ou subgrupos, de aspecto imunológico, ambiental e genético.

Podemos citar a relação do autismo com o trato gastrointestinal, a sensibilidade ao glúten e caseína, ao sistema imune, aos erros inatos do metabolismo e a toxicidade por metais pesados e xenobióticos. É uma desordem complexa com muitos fatores etiológicos.

E a nutrição é um importante contribuinte para amenizar as características e os sintomas das desordens autísticas, ocorrendo melhora significativa na sociabilidade e comunicação das crianças. A alimentação adequada pode minimizar seus problemas melhorando a qualidade de vida da criança e de seus familiares.

O cardápio dos pequenos não pode ser comum a todos: deve-se respeitar a individualidade de cada criança, para garantir uma nutrição adequada e balanceada, com alimentos ricos em nutrientes que levem à produção de substâncias químicas necessárias para o funcionamento cerebral, assim como aquelas que são necessárias para que o organismo produza internamente outras substâncias químicas, enzimas e hormônios, retirando-se possíveis alimentos alergênicos, alimentos industrializados, açúcar e aditivos químicos em geral.

Ou seja, nada de corantes, conservantes, alimentos industrializados, açúcar, soja, leite e derivados, produtos com trigo, aveia, cevada, centeio e glutamato monossódico. A dieta isenta de caseína (tipo de proteína encontrada no leite e derivados) e do glúten (proteína encontrada em alguns cereais), favorece as crianças que estejam dentro do espectro autístico, pois os peptídeos (resultantes do processamento de proteínas) derivados da caseína e do glúten apresentam similares opióides (substâncias naturais ou sintéticas derivadas do ópio) que afetam os neurotransmissores no sistema nervoso central (SNC). Além de promoverem efeitos como a redução do número de células nervosas do SNC e a inibição de alguns neurotransmissores, causando alterações comportamentais.

Além da dieta existem suplementos que podem ajudar a controlar ou minimizar os sintomas do espectro autístico, como vitaminas, minerais, ômega 3, probióticos, antifúngicos e enzimas digestivas, mas sempre devemos analisar as necessidades individuais de cada criança.

E segue um alerta aos pais e educadores: Leiam sempre os rótulos, é muito importante identificar a presença de ingredientes que podem ocasionar uma piora nos sinais e sintomas das crianças, principalmente naquelas que apresentam alguma intolerância ou alergia alimentar.

Priscila Bongiovani Spiandorello  - Nutricionista Clínica – CRN3 8679

Pós-Graduada em Nutrição Clínica Funcional; Membro da Academia Brasileira de Saúde Ambiental e Associada ao Centro Brasileiro de Nutrição Funcional.

http://priscilaspiandorello.wordpress.com

prspiandorello@gmail.com.br

 

Comentar »

Contaminação de Alimentos: o perigo mora em casa

Por editor • Postado em 02/07/2012 • Categorias: Matérias

Dados epidemiológicos do Ministério da Saúde apontam que 45% das contaminações por doenças transmitidas por alimentos ocorrem dentro das casas dos brasileiros. Esse tipo de doença, responsável por cerca de 670 surtos com 13 mil doentes todo ano, está associada principalmente ao manuseio incorreto e à conservação inadequada de alimentos.

Para evitar que os alimentos sejam contaminados por microrganismos nocivos à saúde dos seres humanos, é preciso que a população tome alguns cuidados que vão desde a compra até o preparo desses alimentos. É o que a Organização Mundial da Saúde (OMS) define como as cinco chaves para uma alimentação segura.

Nesse sentido, um aspecto que não pode ser esquecido é o da limpeza. É preciso lavar as mãos antes de iniciar a preparação dos alimentos e, frequentemente, durante todo o processo. Os equipamentos, superfícies e utensílios, como facas ou tábuas de corte, também devem estar limpos.

Insetos, pragas e outros animais precisam estar longe do local onde a comida será preparada. Além disso, as bancadas de cozinhas e as tábuas de corte não podem ter rachaduras, trincas e outros defeitos que favoreçam o acúmulo de líquido e sujeiras.

Outra recomendação da OMS é separar os alimentos crus dos cozidos para evitar a contaminação cruzada. Isso porque, alimentos crus, especialmente carnes, peixes e seus derivados, podem conter micróbios perigosos que podem ser transferidos para outros alimentos durante sua preparação ou armazenamento.

A temperatura também é fundamental para evitar a contaminação. Um cozimento adequado, a uma temperatura acima de 70ºC, consegue matar quase todos os micróbios presentes nos alimentos. Para ter certeza do cozimento completo, principalmente em carnes bovinas e de frangos, deve ser verificada a mudança da cor e textura na parte interna do alimento.

É preciso lembrar que em condições ideais, uma única bactéria pode se multiplicar em 130 mil em apenas seis horas. Uma temperatura abaixo dos 5ºC ou acima dos 60ºC retarda essa multiplicação. Por isso, alimentos cozidos não podem ficar por mais de duas horas à temperatura ambiente, os alimentos perecíveis devem ser refrigerados e os cozidos permanecer quentes até o momento de serem servidos.

Por fim, o cidadão deve conhecer a procedência do alimento que consome. Nesse quesito, é fundamental verificar se o supermercado ou estabelecimento comercial apresenta condições adequadas de conservação dos alimentos oferecidos, inclusive com presença de termômetro, em refrigeradores e congeladores, para controle da temperatura.

Critérios como proximidade de casa e preço dos produtos não são suficientes na hora da compra de alimentos. Para garantir uma alimentação mais segura, o consumidor brasileiro precisa agregar ao seu dia-a-dia conceitos como limpeza e organização dos ambientes nos quais compra sua comida.

Por: Maria Cecília Brito – diretora da Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Fonte: ANVISA http://www.anvisa.gov.br

 

Comentar »

Campanha quer reduzir o consumo de sal

Por editor • Postado em 14/05/2012 • Categorias: Matérias

Estimativas demonstram que a população brasileira consome cerca de 12 gramas de sal por dia, mais do que o dobro recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que é de até 5 gramas diárias. Para diminuir esse número e, conseqüentemente, os casos de doenças relacionadas à alta ingestão de sódio, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e o Ministério da Saúde (MS) lançam a Campanha de Redução do Consumo de Sal.

O objetivo é conscientizar os consumidores em relação à redução do uso do sal e orientá-los a fazer escolhas mais saudáveis ao adquirir alimentos. Folders, banners e cartazes irão alertar os clientes dos supermercados sobre os perigos do consumo excessivo de sal. “Além de incentivar o consumo de alimentos naturais, a campanha pretende criar nas pessoas o hábito de ler a rotulagem nutricional dos alimentos industrializados e escolher aqueles com menor teor de sódio”, explica a diretora da Anvisa, Maria Cecília Brito.

Pesquisa
Em 2010, a Anvisa desenvolveu uma pesquisa sobre o perfil nutricional dos alimentos processados. Análises laboratoriais das quantidades de sódio, açúcares, gorduras saturadas, gorduras trans e ferro avaliaram a composição nutricional de alguns alimentos prontos para consumo.

Os alimentos industrializados selecionados foram aqueles usualmente consumidos pela população brasileira, principalmente as crianças e caracterizados por apresentarem alta densidade energética e baixo conteúdo de fibra, características que aumentam o risco de obesidade, diabetes e doenças cardiovasculares.

FONTE: ANVISA

Comentar »